invista em startups
Captação Ideal Engenharia
Balanço

Itaú Unibanco (ITUB4) tem lucro líquido de R$ 28,4 bilhões em 2019, alta de 10%

Apenas no último trimestre do ano passado, o lucro do maior banco privado do país foi de R$ 7,3 bilhões, em linha com o esperado por analistas

11/02/2020 06h38
Por: Leonardo Brum
Fonte: infomoney
283

O Itaú Unibanco (ITUB4) fechou o quarto trimestre de 2019 com lucro líquido recorrente de R$ 7,296 bilhões, uma alta de 1,9% ante o mesmo período de 2018. O resultado ficou em linha com a projeção de R$ 7,28 bilhões dos analistas consultados pela Bloomberg.

No acumulado de 2019, o lucro líquido recorrente do maior banco privado do país chegou a R$ 28,363 bilhões. É um avanço de 10,2% sobre 2018.

O ROE (retorno sobre o patrimônio líquido — um indicador que mede como os bancos investem os recursos de seus acionistas) também avançou, tanto no trimestre (+0,3 ponto percentual) quanto no ano (+1,7 ponto percentual), para 23,7%.

“Nosso ambiente de negócios em 2019 foi influenciado pela continuidade do ciclo de cortes na taxa Selic, sustentada pelo baixo nível de inflação no país e por reformas estruturais na economia, como a da previdência social. Nesse cenário, alguns indicadores sinalizam uma recuperação da atividade econômica, como o crescimento das concessões de crédito e uma redução gradual do índice de desemprego”, destacou o banco em seu balanço.

A margem financeira aumentou 8% em 2019 sobre o ano anterior, o que permitiu um desempenho melhor do lucro. A margem financeira gerencial, que leva em conta operações com clientes e com o mercado (tesouraria), ficou em R$ 74,630 bilhões no ano passado, ante R$ 69,084 bilhões em 2018.

Considerando apenas o último trimestre de cada ano, houve avanço de 1,9%, passando de R$ 19,071 bilhões a R$ 19,439 bilhões.

A receita de serviços do banco também apresentou um salto em 2019, na comparação com 2018, indo de R$ 35,1 bilhões para R$ 37,3 bilhões — aumento de 6,4%. O desempenho reflete a alta de 7,2% nas emissões de cartões de crédito e débito, de 24,9% na administração de recursos e de 79,3% na assessoria econômica, financeira e de corretagem.

Empréstimos e calotes

Com a maior demanda por crédito, o Itaú obteve crescimento de sua carteira, sobretudo em empréstimos para pessoas físicas e micro, pequenas e médias empresas.

No final do quarto trimestre de 2019, a carteira de crédito total do Itaú atingiu R$ 706,7 bilhões, uma alta de 10,9% sobre 2018 (R$ 636,9 bilhões). Do total, R$ 239,8 bilhões eram empréstimos para pessoas físicas e R$ 89,6 bilhões para micro, pequenas e médias empresas. Um ano antes, as cifras eram de R$ 211,3 bilhões e 70,8 bilhões, respectivamente.

Com o aumento da carteira de crédito, o banco também elevou a despesa com provisões para calotes, que passou de R$ 14,5 bilhões em 2018 para R$ 23,9 bilhões no ano passado.

O índice de inadimplência do banco (devedores por mais de 90 dias) subiu 0,1 ponto percentual de um ano para outro, chegando a 3% em 2019.

Receita extra e dividendos

O Itaú informou em seu balanço que obteve receita extra em função da emissão primária de ações da XP de R$ 1,97 bilhão no último trimestre do ano passado. O ganho extra foi compensado com uma provisão para calotes de R$ 2,45 bilhões no trimestre e uma provisão cível, fiscal e trabalhista de R$ 1,3 bilhão.

O conselho do Itaú também aprovou nesta segunda-feira o pagamento de dividendos complementares de R$ 0,4832 por ação. O pagamento será feito em 6 de março, tendo como base de cálculo a posição acionária final registrada no dia 20 de fevereiro de 2020.

O banco aprovou ainda o pagamento de juros sobre o capital próprio complementares no valor de R$ 0,5235 por ação, com retenção de 15% de Imposto de Renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,444975 por ação, excetuados dessa retenção os acionistas pessoas jurídicas comprovadamente imunes ou isentos.

Os juros sobre o capital próprio declarados pelo conselho de administração em 28 de novembro de 2019, no valor bruto de R$ 0,037560 por ação (líquido de R$ 0,031926 por ação), também serão pagos em 6 de março de 2020 aos acionistas com posição acionária final registrada no dia 12 de dezembro de 2019.

Em relação ao resultado de 2019, os acionistas do banco receberão R$ 1,9270 por ação, que totaliza R$ 18,8 bilhões em dividendos e juros sobre o capital próprio (líquido de imposto de renda), valor esse que equivale a 66,2% do lucro líquido consolidado recorrente do exercício de 2019.