Captação Ossopim
Captação Ideal Engenharia
invista em startups
Carreira

Como líderes narcisistas podem destruir empresas em época de Covid-19

O narcisismo em excesso pode prejudicar tanto o líder como sua equipe de trabalho

21/05/2020 06h51
Por: Leonardo Brum
Fonte: Forbes
288
O narcisismo em excesso pode prejudicar tanto o líder como sua equipe de trabalho
O narcisismo em excesso pode prejudicar tanto o líder como sua equipe de trabalho

 

De muitas maneiras, o narcisismo está ligado à liderança. Pesquisas mostram que os líderes tendem a mostrar mais algumas características específicas, como o narcisismo, do que o resto da população. De fato, um estudo descobriu que, em um grupo não tinha líder, normalmente era a pessoa com mais traços narcísicos que se candidatava a realizar o trabalho.

Um terceiro estudo, da Universidade de Illinois, sugere que um pouco de narcisismo é necessário para ser um bom líder. O documento descobriu que pessoas com índices moderados de narcisismo alcançaram “um bom equilíbrio entre ter níveis suficientes de autoconfiança, mas não manifestam os aspectos negativos e anti-sociais do narcisismo que envolvem colocar os outros para baixo para se sentirem bem consigo mesmos”.

Encontrar o equilíbrio certo

A importância de encontrar o equilíbrio certo foi destacada por pesquisas recentes da Universidade de Stanford, que descobriram que um líder excessivamente narcísico pode destruir uma organização por dentro.

A pesquisa nos lembra que os líderes narcisistas podem ser extremamente sedutores. Sua confiança e capacidade de se autopromover podem torná-los muito atraentes, especialmente para organizações no meio de turbulências. Os pesquisadores analisaram mais de 150 estudos anteriores sobre o tema e descobriram que os líderes narcisistas podem apresentar riscos extremos para qualquer organização.

“Existem líderes que podem ser idiotas abusivos, mas não são realmente narcisistas”, explicam. “A distinção é o que os motiva. Eles são levados a alcançar algum objetivo maior? Eles realmente querem melhorar a empresa ou o país ou realizar algum objetivo louco, como popularizar os carros elétricos e talvez colonizar Marte ao longo do caminho? Ou tudo gira em volta do seu próprio engrandecimento?”

A chave parece ser o quanto a opinião dessas pessoas sobre si está fundada na realidade. Se houver alguma base em sua confiança, os líderes narcisistas podem fazer grandes coisas, mas o mundo corporativo está repleto de histórias de narcisismo gerando brigas, pois esses líderes tendem a ser egoístas e carentes de integridade.

Mudança de direção

A pesquisa constata que os líderes narcisistas podem ser bem-sucedidos em promover mudanças duradouras nas organizações e até nos países, eles lideram, mas que essas mudanças nem sempre são positivas e o impacto negativo pode durar muito mais que seu mandato pessoal.

Isso ocorre porque eles desenvolvem uma cultura em que vozes divergentes são esmagadas, mas elogios e servidão são recompensados. Um ar distinto de apatia e cinismo permeia o ambiente, com uma cultura de interesse próprio substituindo qualquer objetivo compartilhado.

O fato de os líderes narcisistas tenderem a ser mais atraentes em tempos de turbulência deve ser especialmente preocupante, dada a enorme turbulência causada pela pandemia de coronavírus no mundo. Pode ser extremamente tentador se submeter a um líder que diz ter a solução para todos os nossos problemas, mas essa autoconfiança pode ser altamente prejudicial.

Distorção das regras

O interesse pessoal pelo qual a maioria dos líderes narcisistas opera também pode levá-los a distorcer ou quebrar as regras para ter sucesso. Podem resultar em fraudes e outros crimes de colarinho branco, com líderes narcisistas também apaixonados por evasão fiscal agressiva e manipulação de ganhos.

Isso geralmente ocorre como resultado de níveis mais baixos de integridade do que os líderes não narcísicos, de modo que suas palavras e ações raramente se alinham. Quando em posição de poder, essa tendência só pode ser exacerbada.

“Ser eleito ou nomeado para o cargo valida seu senso de direito. Mesmo que a pessoa não seja narcisista, o poder desinibe. Ele encoraja as pessoas a cederem aos piores instintos, então agora você tem as duas coisa trabalhando juntas”, dizem os pesquisadores.

Um pensamento preocupante é que pouco da autoconfiança dos narcisistas se baseia em qualquer evidência real. Não vem de inteligência elevada ou por análises de desempenho de seus pares. De fato, as atitudes desses líderes estão mais intimamente associadas a uma maior tomada de risco do que a maiores retornos sobre esses investimentos.

Necessidade de ser amado

Grande parte do problema com os líderes narcisistas é o desejo de se sentir admirado. Se essa admiração estiver faltando, poderá resultar em níveis extremos de ressentimento, que se manifestam em atos de agressão, petulância e abuso para com a sua equipe. É criada uma visão de mundo na qual as pessoas são aliadas ou inimigas.

O estudo sugere que o maior perigo representado pelos líderes narcísicos, no entanto, é a influência deles sobre os outros na organização. Como qualquer líder, o narcisista ajuda a moldar a cultura de sua organização de acordo com sua própria imagem. Como tal, os comportamentos nefastos descritos acima rapidamente se normalizam.

“Quando estão no poder, os narcisistas consolidam sua posição demitindo todos que os desafiam”, dizem os pesquisadores. “Então, você se vê em uma cultura individualista, sem trabalho em equipe e baixa honestidade. Documentamos isso em várias empresas de tecnologia do Vale do Silício.”

As dificuldades enfrentadas por Dara Khosrowshahi, da Uber, refletem a cultura arraigada formada pelo ex-CEO Travis Kalanick. Os pesquisadores esperam que esse seja o corpo de trabalho que reflete os danos que os líderes narcisistas podem causar a uma organização, e que as pessoas não queiram que o mesmo ocorra em outros lugares.

Os pesquisadores também recomendam que, ao selecionar líderes, façamos o possível para ir além da auto-apresentação que o indivíduo fornece. Por exemplo, as entrevistas podem representar os pontos fortes do indivíduo narcísico, porque podem mostrar algo que desmente a realidade. Os resultados podem ser falsificados e os créditos tomados pelo trabalho de outras pessoas.

“O que seria realmente mais esclarecedor seria conversar com as pessoas que trabalharam para elas e com elas no passado”, explicam os pesquisadores. “Você precisa obter dados de pessoas que viram essa pessoa operando. Mas isso normalmente não é o que acontece”.

Com o enorme impacto do coronavírus, os riscos envolvidos não poderiam ser maiores, por isso temos o dever de garantir a contratação das pessoas certas. Por mais tentador que o líder narcisista possa estar nestes tempos de crise, precisamos pensar além dessa tentação e selecionar líderes que possam deixar uma impressão duradoura da maneira certa.

Inserindo um grau de aleatoriedade

Então, como podemos fazer isso? Novas pesquisas da Universidade de Zurique sugerem que a inserção de um grau de aleatoriedade no processo de recrutamento pode ajudar. Os pesquisadores destacam que os líderes geralmente atribuem seus sucessos ao intelecto inacreditável e ao brilho geral. Isso tende a cegá-los a obstáculos em seu caminho, e eles freqüentemente iniciam empreendimentos que trazem resultados negativos, seja devido a escolhas de negócios ruins ou antiéticas.

Depois de revisar a literatura existente e conduzir um grande experimento em laboratório, os pesquisadores acreditam que um processo de seleção aleatória poderia fazer um trabalho melhor para evitar arrogância nos líderes do que os processos atuais.

A pesquisa descobriu que, quando os líderes excessivamente confiantes eram selecionados aleatoriamente, eles eram menos inclinados a abusar de seu poder e mais inclinados a usá-lo para beneficiar o grupo como um todo. Quando os líderes pensam que triunfaram durante um processo de seleção competitiva, nenhuma dessas coisas ocorre.

Os autores sugerem que isso ocorre porque os líderes geralmente são indivíduos altamente confiantes, e ter sucesso em ambientes competitivos pode levar isso a excesso de confiança, levando-os a acreditar que são muito melhores que os demais e, portanto, têm o direito de se enriquecer.

Um processo de seleção mais aleatório parecia resultar em líderes mais humildes, o que pode levar a melhores resultados para as equipes e organizações que lideram. É improvável que os processos de seleção sejam alterados dessa maneira, mas ainda assim é um alimento interessante para o pensamento, enquanto tentamos manter nossa humanidade durante esses tempos difíceis.