invista em startups
Captação Ideal Engenharia
Captação Ossopim
Exportações

Brasil está cada vez mais dependente da China em termos comerciais

Mesmo com os desentendimentos públicos, os chineses seguem comprando do Brasil

03/06/2020 06h56
Por: Leonardo Brum
Fonte: Reuters
304
Mesmo com os desentendimentos públicos, os chineses seguem comprando do Brasil
Mesmo com os desentendimentos públicos, os chineses seguem comprando do Brasil

 

A balança comercial brasileira teve um saldo positivo de US$ 4,548 bilhões, o menor desde 2015 para o mês de maio. De janeiro a maio, a balança comercial acumula um saldo positivo de US$ 16,349 bilhões, valor 19,5% inferior ao mesmo período do ano passado.

Olhando o resultado de maio no detalhe, as exportações registraram queda de 4,2%, amortecida pelo aumento das vendas de produtos agrícolas. O mais curioso é que mesmo com todo o conflito no campo diplomático com os chineses, as exportações brasileiras para a Ásia cresceram 27,7%, com alta de 35,2% nos produtos exportados para a China.

Do outro lado, nós continuamos tendo Estados Unidos e China como principais fontes de importações. As duas nações registraram vendas no equivalente a US$ 2 bilhões. Outros destaques foram importações vindas da Alemanha, Argentina, Japão, México, Índia, Itália e Coréia do Sul.

A China nos vendeu manufaturados, com alto valor agregado: aparelhos elétricos, celulares, produtos químicos orgânicos, tecidos (como máscaras de proteção biológica) e computadores.

Os Estados Unidos nos venderam derivados de petróleo, produtos químicos orgânicos, produtos químicos, plásticos, carvão, equipamentos industriais, e farmacêuticos.

O aumento das vendas para a China tem fatores internos deles como explicação. O país estavam em isolamento, com produções paralisadas. No entanto, mesmo com a retomada podemos seguir vendendo grandes quantidades. A motivação vem da nova rodada de queixas do país contra os Estados Unidos.

Resta o Brasil alinhar internamente nossos comandantes, que o tempo inteiro ficam alfinetando nossos principais clientes. Com a elevação do tom pelo presidente americano, Donald Trump, temos que enxergar a oportunidade, e não repetir os insultos.