Captação Ossopim
Captação Ideal Engenharia
invista em startups
BSEV3

Biosev amplia prejuízo em 19/20 para R$1,55 bi por impacto do câmbio na dívida

Apenas no quarto trimestre fiscal, encerrado em março, o prejuízo líquido foi de 1,08 bilhão de reais, ante prejuízo de 306,6 milhões no mesmo período da safra anterior

28/07/2020 06h40Atualizado há 2 semanas
Por: Leonardo Brum
Fonte: Reuters
248

 

A companhia de açúcar, etanol e bioenergia Biosev (SA:BSEV3) fechou a safra 2019/20 com prejuízo líquido de 1,55 bilhão de reais, versus perda de 1,2 bilhão de reais em 2018/19, com a desvalorização do real impactando fortemente a dívida em dólar da companhia, que informou também ter conseguido elevar a geração de caixa mesmo com uma moagem estável devido a investimentos nos últimos anos.

Apenas no quarto trimestre fiscal, encerrado em março, o prejuízo líquido foi de 1,08 bilhão de reais, ante prejuízo de 306,6 milhões no mesmo período da safra anterior.

A empresa --unidade de produção de açúcar e etanol da trading Louis Dreyfus-- teve um resultado financeiro negativo de 2,377 bilhões de reais em 2019/20, versus 1,37 bilhão negativos em 2018/19.

Apesar de o resultado líquido ter sido fortemente afetado pelo endividamento em moeda estrangeira, que supera 90% do total, o indicador de geração de caixa (Ebitda ajustado) avançou quase 13%, para 1,8 bilhão de reais em 2019/20, excluindo-se os efeitos na receita líquida das operações de revenda e do impacto não-caixa de hedge accounting de dívida em moeda estrangeira e de IFRS16.

"Isso acaba derivando em um Ebitda unitário espetacular", afirmou o presidente-executivo da companhia, Juan José Blanchard, citando o indicador ajustado unitário de 65,2 reais por tonelada, considerando as mesmas comparações.

"Tudo isso é consequência de trabalho que começamos há três anos de melhoria operacional, na parte agrícola e na indústria", acrescentou ele, lembrando que a companhia conseguiu, mesmo com geadas atingindo as unidades de Mato Grosso do Sul, entregar uma produtividade média acima do mercado, de 82,9 toneladas por hectare, alta de 3,5% na comparação anual.

A Biosev, uma das maiores processadoras de cana do Brasil, elevou em 7,7% os investimentos na safra, para 1,2 bilhão de reais.

Na temporada, a atingiu moagem de cerca de 27 milhões de toneladas, praticamente estável ante 2018/19.

Para a nova temporada, a companhia está avançada, assim como o setor, na antecipação de vendas de açúcar.

A Biosev disse ter 85,4% de seu açúcar da safra 2020/21 "hedgeado", já tendo fixado preços para 54,5% da commodity em 2021/22.

"Evoluímos bastante na parte de precificação de açúcar...", disse a diretora comercial Dorothea Soule, acrescentando que os níveis de preços alcançados foram satisfatórios para uma safra que está sendo mais açucareira.

Para 2020/21, a empresa fez hedge para 811 mil toneladas, ao preço médio de 13,67 centavos de dólar por libra-peso, enquanto para 2021/22 fixou vendas de 432 mil toneladas, a 13,37 centavos de dólar por libra-peso.

Ela disse ainda que na parte de etanol a companhia foi impactada juntamente com o mercado pela epidemia de Covid-19, mas ressaltou que há "potencial para subir", assim como a Biosev tem aproveitado a demanda externa por álcool industrial e anidro.

Após aumentar as exportações de etanol em mais de 230% em 2019/20, para 526,4 milhões de reais, com a maior parte do aumento sendo registrada no último trimestre, a executiva disse ver esta tendência continuar na nova safra.

TROCAR DÍVIDA

A dívida líquida da Biosev somou 6,1 bilhões de reais em 31 de março, ante 4,65 bilhões na mesma data do ano anterior, devido ao impacto cambial.

Neste contexto, a Biosev revelou ainda que conseguiu "waiver" com credores após não atender compromisso de alguns contratos relacionado a covenants (cláusulas restritivas).

Com o "waiver", a companhia está mantendo os vencimentos e todas as demais condições contratuais originais das dívidas.

Segundo o diretor financeiro, Leonardo Oliveira D'Elia, com esse movimento a companhia não sofreu qualquer impacto.

"É super importante a evolução na operação da companhia, mas o lado negativo é que tem volume de dívida em dólar muito grande", afirmou o executivo, ressaltando que a empresa espera trocar a maior parte da dívida em dólar para real "o mais rápido possível".

A Biosev está com oito unidades operacionais na safra atual (cinco em São Paulo, duas em Mato Grosso do Sul e uma em Minas Gerais) e mantém uma unidade hibernada em Maracaju (MS).