Captação Ideal Engenharia
invista em startups
TikTok

Os 7 influenciadores mais bem pagos do TikTok

Até esta primavera, Loren Gray tinha a maior base de fãs do TikTok, levando-a a fazer acordos de com a Skechers, Hyundai e Burger King

10/08/2020 07h09
Por: Leonardo Brum
Fonte: Forbes
348
Até esta primavera, Loren Gray tinha a maior base de fãs do TikTok, levando-a a fazer acordos de com a Skechers, Hyundai e Burger King
Até esta primavera, Loren Gray tinha a maior base de fãs do TikTok, levando-a a fazer acordos de com a Skechers, Hyundai e Burger King

 

Logo após o presidente norte-americano Donald Trump ameaçar proibir o TikTok nos Estados Unidos no último fim de semana, Addison Rae Easterling, de 19 anos, fez o que ela faz de melhor. Ela postou um vídeo resumido, imaginando sua vida sem o popular aplicativo: ela voltaria para a universidade, no estado da Louisiana, onde começou como caloura no ano passado, estudando jornalismo televisivo.

Mas Easterling não é apenas um dos milhões de adolescentes do TikTok que postam vídeos de dança bobinhas na plataforma de propriedade chinesa por diversão. Ela é a estrela que mais ganha lá, faturando cerca de US$ 5 milhões no ano passado, graças a seus 54,1 milhões de seguidores, sua nova linha de maquiagem (Item Beauty) e acordos com marcas como American Eagle e Spotify. “O TikTok me levou aonde estou hoje”, diz.

Embora o destino da propriedade do TikTok ainda não esteja claro, uma coisa é certa: poucas pessoas tiraram mais proveito do aplicativo de compartilhamento de vídeo do que Addison Rae e as outras seis jovens celebridades, da primeira lista Forbes das estrelas mais bem pagas do TikTok. Esses criadores de vídeos virais –que faturaram pelo menos US$ 1 milhão nos 12 meses fechados em junho, apenas começaram a monetizar sua fama, principalmente por meio da venda de produtos de marca pessoal e de conteúdo patrocinado por empresas como Sony, Chipotle e Revlon.

1. Addison Rae Easterling
US$ 5 milhões

Há um ano, Easterling estava apenas se estabelecendo na faculdade e fazendo TikToks de coreografias da infância como bailarina de competição. Ela atingiu um milhão de fãs em outubro do ano passado –ela se lembra exatamente do dia: 27 de outubro– e começou a ser reconhecida no campus: “Meu nome era gritado enquanto eu caminhava para a aula, o que era muito impressionante”, lembra Easterling. Meninas em jogos universitários pediam para tirar uma foto com ela.

Naquele mês, ela teve suas primeiras postagens de conteúdo patrocinado, para a Fashion Nova, uma loja de roupas femininas americana online, e em dezembro, largou os estudos para ir a Los Angeles em busca de ser uma celebridade em tempo integral. Lá, ela se tornou amiga de um grupo de estrelas do TikTok e ajudou a formar o Hype House, um coletivo de criadores de conteúdo, que elevou ainda mais seu perfil e oportunidades de negócios. No início, ela conseguiu acordos típicos para fazer suas próprias mercadorias de marca, e conteúdos patrocinados de marcas como Reebok e Daniel Wellington. No total, esses dois fluxos de receita representaram dois terços de seus ganhos estimados.

Em julho, ela se tornou a principal porta-voz global da marca de roupas teen American Eagle, que espalhou sua imagem em anúncios digitais, tradicionais e impressos. No mesmo mês, ela começou a apresentar um podcast semanal no Spotify com sua mãe, Sheri Nicole, chamado “Mama Knows Best” (algo como Mamãe Sabe Tudo): “Queremos quebrar a barreira e entrar em conversas que a maioria das crianças não se sentiria à vontade para ter com os pais.” Sua linha de maquiagem, Item Beauty, uma joint venture com a startup de beleza Madeby, lança seus primeiros produtos online na próxima semana, incluindo bronzeador, sombras, pó iluminador e o mais famoso, o Lash Snack, por US$ 14. “O rímel…”, explica Easterling, “tem óleo de mamona, e por isso é uma delícia para os cílios”.

2. Charli D’Amelio
US$ 4 milhões

Depois de postar no TikTok pela primeira vez em junho de 2019, ela fez uma série de vídeos de dança que se tornaram virais nos meses seguintes. Logo depois, a cantora Bebe Rexha convidou Charli para se juntar a ela em um show de abertura para os Jonas Brothers, no Barclay Center, no Brooklyn.

As coisas aconteceram rapidamente a partir daí. Ela deixou sua cidade natal, Norwalk, Connecticut, e mudou-se para Los Angeles. Ela foi ao programa de Jimmy Fallon. Ela postou sua experiência na Fashion Week de Paris representando a marca Prada no TikTok. Ela fez acordos de patrocínio com empresas, como a gigante de cosméticos EOS, e apareceu em um comercial do Super Bowl para a marca vegetariana Sabra. Ela e sua irmã Dixie (a número 3 da lista) fizeram vídeos frequentemente com o Hype House, e as irmãs também anunciaram um acordo para serem os novos rostos da Hollister, outra marca americana de roupas teen. Em maio, Charli completou 16 anos. E ela comemorou o momento como qualquer outra jovem celebridade: acrescentando à linha de produtos de sua marca pessoal um novo moletom de capuz de edição limitada de US$ 60, com um desenho dela com um chapéu de aniversário estampado nele.

3. Dixie D’Amelio
US$ 2,9 milhões

Como a irmã mais velha de Charli D’Amelio (nº 2), Dixie tem a fama totalmente entrelaçada com a de sua irmã. As duas saíram de casa para morar em LA. Elas aparecem em muitos vídeos uma da outra no TikTok, onde Dixie tem 32 milhões de seguidores. E, nos últimos meses, as irmãs D´Amelio assinaram acordos conjuntos com a Hollister e com a Morphe, uma empresa de cosméticos. Dixie, enquanto isso, está se destacando sozinha com sua carreira musical: ela lançou seu primeiro single, “Be Happy”, em junho. Dizie acumulou 58 milhões de transmissões e, no lançamento, tornou-se o vídeo número 1 no YouTube, à frente de um videoclipe dos estabelecidos e famosos rappers, Kayne West com Travis Scott, também lançado naquele dia.

4. Loren Gray
US$ 2,6 milhões

Quando Loren Gray começou, ela passou por uma série de maus agentes de talentos, ela diz, que a enganaram e estragaram alguns contratos de patrocínio. Isso a deixou determinada a seguir sua própria intuição. “A única pessoa que sabe gerenciar Loren Gray e ser Loren Gray é Loren Gray”, disse ela em uma entrevista que, fiel ao seu sentimento, não incluiu agentes ou empresários.

Essa mentalidade funcionou muito bem para ela até agora. Em 2018, ela fez um acordo com a Virgin Records e desde então lançou oito singles. Até esta primavera, Gray tinha a maior base de fãs do TikTok, levando-a a fazer acordos de com a Skechers, Hyundai e Burger King. Seu foco principal no momento é seu novo acordo com a Revlon, criando conteúdos para a conta do TikTok da empresa e postagens patrocinadas. “É mais produção de conteúdo do que apenas fazer o que alguém diz por 60 segundos”, a duração máxima de um TikTok, explica Gray: “Eles são muito flexíveis e me dão muita liberdade criativa”.

5. Josh Richards
US$ 1,5 milhão

Para capitalizar melhor a fama, “trata-se de criar empresas ou obter capital por essas empresas”, diz Josh Richards, outro famoso TikToker, e o quinto da lista. “Os influenciadores precisam aprender a monetizar seus conteúdos adequadamente.”

Para ter certeza disso, ele seguiu muitas estratégias tradicionais para ganhar dinheiro no TikTok: acordos de patrocínio com a Reebok e a HouseParty, uma linha de produtos, anúncios do YouTube, um novo acordo de criação de canções com a Warner Records. Mas ele também cofundou sua própria empresa de gerenciamento de talentos, a TalentX, e seu próprio negócio de bebidas, Ani Energy –e ainda ingressou no c-suite da Triller, uma rival menor do TikTok, como diretor de estratégia, um acordo que o compensou com uma participação acionária da startup.

Posicionando-se como um executivo de mídia é uma mudança bastante radical em relação à sua imagem: de galã e bad boy do TikTok. Depois de entrar no TikTok no ano passado, enquanto morava perto de Toronto, no Canadá, Richards alcançou fama rápida por seus vídeos de dança, canto e dublagem –e por alguém, que ele se descreve, como um “adolescente irritável”, ele até teve rixas encenadas com outros influenciadores nas mídias sociais. Ele fundou também a Sway House, coletivo que desenvolveu reputação por promover festas e tumultos. (Dois membros da Sway foram presos no Texas em maio, depois de violar o bloqueio da Covid-19 na Califórnia.) “Foi caótico lá”, na Sway House, diz Richards, que recentemente saiu da casa de Los Angeles. “Eu estava seguindo um caminho ruim, que não havia planejado.”

6. Michael Le
US$ 1,2 milhão

Michael Le, o sexto da lista, não é um cara tímido. “Estou me esforçando para ser o principal influenciador do TikTok”, diz ele, esparramado em sua cama, sem camisa, em uma mansão de Los Angeles, que ele e outros quatro TikTokers estão alugando. Como vários outros nesta lista, ele também iniciou um coletivo, e essa casa de 2.750 metros quadrados é o quartel-general da Shluv Hous –Shluv sendo uma espécie de termo alternativo para “amor próprio”. “Eu sei como juntar tudo”, diz Le, 20 anos. “Para fazer cada vídeo ser uma cena é mais do que simplesmente ligar o telefone” e gravar.

Dois de seus vídeos do começo do ano –que mostram ele dançando em uma escada rolante descendente, um com seu irmão de 5 anos, Jonathan, que é cofundador da Shluv– estão entre os conteúdos mais compartilhados de todos os tempos no aplicativo, acumulando um total de 478 milhões de visualizações. Entre os acordos patrocínio está um com a Bang Energy Drink, pelo qual ele publica várias vezes por semana. O YouTube é o próximo alvo, ele diz. Jonathan também é coestrela de vídeos para crianças, que são incrivelmente populares. O objetivo? “Fazer mais e mais séries de cinco estrelas”, diz Le, e ser “Realmente grande.”

7. Spencer X
US$ 1,2 milhão

Spencer X anseia por ouvir as palavras mágicas. “Quando o Coachella disser: Ei, Spencer, você é o cara –você vai ser headliner como beatboxer”. Ou essas palavras. “Você também fará o ‘Saturday Night Live’ na próxima semana, e será o anfitrião.”

Um pouco da fama do TikTok pode inspirar alguns dos sonhos mais sombrios, e esses vêm naturalmente para Spencer, 28 anos. Spencer, que dedicou sua infância a estudar obsessivamente clipes de beatbox (a habilidade de fazer batidas de bateria e ritmos com a voz) no YouTube, deseja ser o primeiro grande beatboxer das celebridades. Depois de abandonar a faculdade, ele passou os seus 20 anos fazendo qualquer show que pudesse, incluindo aqueles com um grupo de bluegrass (música tradicional nativa americana), um quinteto de acappella e uma banda de rock russa.

Ele entrou no TikTok em fevereiro de 2019 e, meses depois, mudou-se para Los Angeles, onde estava dormindo na casa de amigos, com um saldo bancário mísero de algumas centenas de dólares, e tentando transformar seus 10 milhões de fãs no TikTok em uma carreira real. Logo depois, patrocínios como Uno, Oreo e Sony tornaram isso muito mais possível. Atualmente, ele está em seu próprio apartamento de dois andares em Hollywood, trabalhando no que ele espera se tornar seu primeiro single. “Estou aqui para mostrar às pessoas que tudo é possível, mesmo se pensávamos que era impossível.”