Captação Ideal Engenharia
invista em startups
EV

Uber e Lyft prometem frotas completamente elétricas até 2030

Será interessante ver quantas pessoas optam por pagar o US$ 1 extra por um Green Uber.

15/09/2020 06h55
Por: Leonardo Brum
Fonte: Forbes
302
Será interessante ver quantas pessoas optam por pagar o US$ 1 extra por um Green Uber.
Será interessante ver quantas pessoas optam por pagar o US$ 1 extra por um Green Uber.

 

Na semana passada, a Uber seguiu a Lyft ao anunciar que todas as suas viagens até 2030 serão elétricas. É uma meta ambiciosa e as companhias estão investindo recursos para isso, incluindo uma remuneração de US$ 1,50 a mais por viagem aos motoristas (os passageiros pagam US$ 1 por um Uber Green). A promessa é de “US$ 800 milhões” até 2025.

O problema, claro, é que a Uber não possui os carros em sua frota. A plataforma precisa convencer os motoristas e proprietários de veículos a mudarem para carros elétricos. E e existem algumas barreiras para isso. Afinal, os carros elétricos são muito mais baratos de operar – energia mais acessível e menos manutenção – do que os carros a gasolina, portanto, as pessoas que dirigem o dia todo obtêm uma óbvia vantagem financeira ao diminuir o custo operacional. No entanto, esses veículos são caros de se adquirir. A seguir, listo alguns dos problemas e o que a Uber pode fazer a respeito.

Um dos segredos sombrios da Uber e da Lyft é que muitos motoristas não são totalmente experientes na matemática de operar seus carros. Eles podem ganhar cerca de US$ 1,50 por milha que dirigem, mas alguns deles apenas olham para o custo operacional bruto – gasolina – e acham que estão recebendo um bom pagamento por seu tempo de trabalho. O problema é que o combustível pode ser apenas um quarto – ou até menos – do custo de funcionamento de um carro. Eles podem até saber que o carro sofre depreciação ao rodar e que muito provavelmente terão que levá-lo para o conserto com mais frequência, mas não fazem essa conta. E, para a Uber, e cômodo que os motoristas pensem que são mais bem pagos do que realmente são. Também é parcialmente verdade, no sentido de que parte da depreciação ocorre apenas uma vez por ano, e o motorista já está assumindo isso, mesmo que não dirija.

Toda essa lógica se esvai se o motorista precisar alugar ou arrendar um carro apenas para dirigir. Nesse caso, ele recebe uma conta mensal do carro que inclui todos os gastos e vai compará-la com o que ele fez e quantas horas trabalhou (ou ficou parado esperando por uma carona). Como muitos estudos já apontaram, esse não é um número tão bom, embora ainda seja um trabalho.

Tudo isso acaba se transformando em um desafio se a Uber espera que os motoristas troquem seus veículos tradicionais por carros elétricos. Eles não verão isso como uma vitória, mesmo que seja.

Carros novos e caros

Um dos maiores problemas hoje, que talvez se resolva com o tempo, é que os carros elétricos têm alto preço de mercado, e os veículos de longo alcance são todos novos – ou seja, sem opção acessível por, pelo menos, mais cinco anos. Mesmo que os custos operacionais justifiquem este preço de compra mais alto, para as pessoas de baixa renda, este é um problema clássico – elas nem sempre podem pagar esse valor para economizar dinheiro no futuro. A Uber pode consertar isso com planos de financiamento e outros incentivos. Além disso, em 2025, devemos ver novos carros elétricos competindo com os carros a gasolina no preço inicial de compra.

Outro problema relacionado é que os EVs são novos, diferente da maioria dos Uber’s. Na verdade, a coisa mais inteligente a se fazer atualmente é deixar que uma pessoa mais abastada consuma os primeiros quatro anos de desvalorização de um carro e, em seguida, venda-o usado para motoristas. (Nos carros com mais tempo de uso, os custos de reparo podem começar a subir, embora talvez não nos elétricos.) A Uber poderia ajudar criando um mercado de veículos elétricos usados para compra e aluguel. Em 2025, haverá muitos Teslas com cinco anos de uso. Em 2030, toneladas deles. 

Infelizmente, a compra de EVs traz alguns riscos. É uma tecnologia que muda rapidamente. O elétrico moderno de 2021 será visto como obsoleto em 2025. Ainda perfeitamente utilizável, mas muito reduzido em valor na comparação com os novos modelos que, ao contrário dos carros a gasolina, são radicalmente diferentes de seus primos de cinco anos. Isso é bom para comprar no mercado de usados, mas faz com que a aquisição de um carro zero venha com um risco que apenas pessoas de renda mais alta podem correr.

Muitos motoristas do Uber se deslocam entre cidades distantes. Essa não é uma ótima opção em um EV, mesmo se você tiver como carregar o veículo em sua casa. Você já chega para trabalhar com a bateria fraca.

A falta de carregadores residenciais

Uma grande barreira para os EV’s é que os motoristas de renda mais baixa muitas vezes não possuem uma vaga de estacionamento onde possam carregar o veículo em casa. O carregamento doméstico é essencial para o funcionamento barato de um EV. Se você utiliza apenas estações de carregamento públicas de alta velocidade, você paga três ou quatro vezes mais – mais do que o custo da gasolina no Prius, que é um dos carros mais populares. Hoje, uma unidade EV consciente dos custos precisa ser carregada em casa ou no escritório. A outra grande vantagem do carregamento doméstico é que acontece enquanto você dorme – em outras palavras, não ocupa nenhum tempo do dia. Se você tiver que carregar em trânsito, terá de 30 a 60 minutos de inatividade. É verdade que todo mundo precisa de uma pausa, então os motoristas  podem lidar com isso, mas não com o preço da eletricidade diurna em uma estação de carregamento rápido de alto custo. Mesmo os motoristas que podem carregar em casa podem precisar de recarga no meio do dia, se estiverem fazendo muitas viagens longas.

É preciso aumentar a quantidade de estações de recarga para pessoas que não têm casa ou espaço de estacionamento. Estações de recarga rápida de baixo custo, subsidiadas por empresas de transporte de passageiros. A Uber poderia investir nessa questão. Além disso, se as coisas correrem como muitos esperam, em 2030 pode haver tanta energia solar em alguns lugares que a eletricidade diurna se tornará mais barata, diferente do que ocorre agora. (A eletricidade das 17h às 21h ainda será muito cara, mas os carros podem evitar a recarga nessa hora.)

O melhor momento para carregar será das 9h30 às 11h30 – muita energia solar, baixa demanda na rede e baixo deslocamento, com um período semelhante de 1h30 às 3h. Mas essa é uma janela bem curta de tempo. As estações de carregamento rápido precisam operar em uma programação mais equilibrada. Ninguém quer cobrar nos horários de máxima demanda, como o horário de pico e o rush do almoço.

Taxa extra para corrida EV

Será interessante ver quantas pessoas optam por pagar o US$ 1 extra por um Green Uber. Eu suspeito que pode ser comum em viagens longas e menos comum em viagens curtas de US$ 7 (R$ 35). Embora os EVs sejam mais silenciosos, eles não são tão diferentes para os passageiros, então esta é uma taxa que se escolhe pagar pela consciência social. (Eles são muito mais divertidos de dirigir, o que pode, na realidade, ser desagradável para o passageiro.) O EV custa muito menos para operar, esse é o incentivo por viagem para o motorista. É na compra e acima da logística que estão as barreiras.

Dirigir sozinho

Em 2030, muitas empresas – incluindo a Uber – têm planos de implementar uma ampla frota de robô-táxis. O menor custo total da eletricidade é uma vitória que não precisa de incentivos, já que os operadores de frotas se preocupam apenas com o custo total. Embora os carros-robôs possam ser construídos em trens de força a gasolina, a maioria espera que eles não sejam influentes tão rápido. Isso substitui o modelo atual de proprietário/motorista, é claro. Os veículos se recarregam nas estações da frota, provavelmente com algum plug-in automático ou, em caso de falha, plug jockeys.

O preço do robô-táxi não vai começar super barato, mas já deve oscilar em 2030, assim que houver competição entre dois grandes fornecedores do veículo inovador. No entanto, apenas algumas cidades terão isso em 2030.

Quando se trata de robô-táxis, torna-se muito mais fácil cumprir a promessa de impulsionar os carros elétricos.