Captação Ideal Engenharia
invista em startups
Economia

Temporada de balanços do 3º tri sugere que pior da pandemia ficou para trás, vê XP

Em relação às estimativas dos analistas da casa, 65% dos resultados das empresas listadas na bolsa foram acima das previsões e 30% ficaram dentro do esperado.

18/11/2020 06h24
Por: Leonardo Brum
Fonte: Reuters
232
© Reuters. Bolsa de valores de São Paulo
© Reuters. Bolsa de valores de São Paulo

 

A progressiva abertura da economia e a melhora nos indicadores econômicos se refletiram nos resultados do terceiro trimestre das companhias brasileiras listadas na B3 (SA:B3SA3), com mineração e siderurgia sendo o grande destaque setorial, avaliou a equipe de estratégia e análise da XP Investimentos.

"Os números reportados pelas empresas superaram nossas expectativas, fazendo-nos acreditar que o pior em relação aos impactos frente à pandemia ficou para trás", afirmou a equipe capitaneada por Fernando Ferreira, em prévia de relatório sobre a safra de balanços de terceiro trimestre que terminou nesta terça-feira.

Em relação às estimativas dos analistas da casa, 65% dos resultados das empresas listadas na bolsa foram acima das previsões e 30% ficaram dentro do esperado.

Do ponto de vista setorial, a XP considerou que o grande destaque foi o setor de mineração e siderurgia, com todas as empresas que acompanham reportando resultados acima do esperado.

Além do efeito positivo frente à alta do dólar no período, os analistas citam que a retomada da atividade industrial, da construção civil e do setor automotivo devido ao aquecimento da economia após os impactos da pandemia impulsionaram os resultados das siderúrgicas.

No caso da Vale (SA:VALE3), o preço de minério de ferro e o volume de vendas foram os grandes suportes.

Ações de frigoríficos, citaram, também se beneficiaram da depreciação cambial, com o volume de exportações reforçando os resultados, enquanto no setor de bebidas, representado pela Ambev (SA:ABEV3), houve recuperação do consumo conforme as medidas de restrições à circulação dos consumidores foram gradualmente sendo removidas.

A Petrobras (SA:PETR4), na visão dos analistas, apresentou resultados excelentes mesmo em um trimestre em que preços de petróleo Brent foram em média de 43 dólares por barril, "o que demonstra a maior resiliência da companhia à menores preços da commodity".

A XP destacou que as incorporadoras também surpreenderam, refletindo o reaquecimento do setor da construção civil e a retomada dos lançamentos e vendas, com destaque para os resultados de MRV (SA:MRVE3) e Tenda (SA:TEND3) (baixa renda) e EZTec (média e alta renda).

Ainda entre os destaques positivos, a equipe citou setor de varejo, com empresas mais fortes no segmento digital sendo as mais beneficiadas, como Magazine Luiza (SA:MGLU3), Lojas Americanas (SA:LAME4), B2W (SA:BTOW3) e Via Varejo (SA:VVAR3), embora a performance no varejo físico tenha contribuído.

Para os analistas da XP, o setor financeiro teve uma "boa temporada de resultados", com a retomada das atividades contribuindo para um aumento da receita de serviços, além de um crescimento do crédito com nível ainda baixo de inadimplência e a diminuição do provisionamento complementar.

Em relação a empresas de energia elétrica e saneamento, a avaliação é de que apresentaram em geral uma sólida performance, refletindo menores impactos da crise da Covid-19 conforme a demanda se recuperou gradualmente e distribuidoras puderam retomar cortes de fornecimento por inadimplência. 

Quanto aos resultados dos shoppings centers, a XP afirmou que houve uma recuperação, após meses desafiadores.

ESG

A XP também observou que fatores ambientais, sociais e de governança corporativa, resumidos na sigla em inglês ESG (do termo em inglês Environmental, Social and Governance), ganharam espaço nos relatórios e teleconferências de resultados de diferentes empresas.

A equipe citou que o mercado vem acompanhando cada vez mais de perto as empresas mais preparadas nas questões ambientes, sociais e de governança.

"Sem dúvida, ainda estamos no início da jornada ESG no Brasil e o caminho adiante é longo, mas essa temporada de resultados confirmou o que já temos ressaltado nos últimos meses: a sigla ESG veio para ficar e será cada vez mais fator central das discussões, e as empresas que não se adaptarem a este novo cenário ficarão para trás."