invista em startups
Superapp

Com serviços de viagens, Rappi quer ser o principal superapp da América Latina

Rappi anuncia sua vertical Travel, com a oferta, nessa primeira etapa, de passagens aéreas, de ônibus e hotéis

29/12/2020 06h52
Por: Leonardo Brum
Fonte: Forbes
271
Rappi anuncia sua vertical Travel, com a oferta, nessa primeira etapa, de passagens aéreas, de ônibus e hotéis
Rappi anuncia sua vertical Travel, com a oferta, nessa primeira etapa, de passagens aéreas, de ônibus e hotéis

 

No início de outubro, o Rappi deu mais um passo em direção ao seu objetivo de se tornar um superapp. A plataforma, consolidada no segmento de delivery de refeições e alimentos, anunciou sua vertical Travel, com a oferta, nessa primeira etapa, de passagens aéreas, de ônibus e hotéis.

Junto com o anúncio, a empresa trouxe para o time Deborah Daloia, ex-Latam Airlines, Booking.com, Smiles, Kayak e THAI Airways, que estará focada na estruturação e no crescimento da funcionalidade, e contará com a ajuda de Bruna Arruda, que vai coordenar a área de hotéis, pacotes e atividades, e Luna Mori, ex-hotel Emiliano, responsável pelas parcerias estratégicas e programas de fidelidade.

A iniciativa chega após o lançamento, ao longo do ano, dos canais Entretenimento, Chefs e Mall. O de viagens, lançado em março na Colômbia, país natal do aplicativo, teve sua chegada ao Brasil atrasada por conta da pandemia de Covid-19, mas, em menos de um mês, já contabilizava 1.500 operações por aqui. A expectativa é chegar ao final do ano com 3.000.

“O Rappi vem se espelhando no mercado asiático para oferecer cada vez mais serviços por meio de uma única plataforma. O objetivo é facilitar a vida dos usuários: num mesmo lugar ele poderá tanto pedir seu almoço quanto comprar sua viagem de férias”, explica Deborah. Por trás da estratégia, está um banco de dados com 15 milhões de usuários – 6 milhões ativos no Brasil – que vem aumentando mês a mês e a chance de fazer operações cruzadas com os parceiros.

“Se um usuário que ama vinhos compra uma passagem para algum lugar da Argentina, por exemplo, podemos oferecer uma experiência numa vinícola”, explica Bruna, reconhecendo que a base com informações dos clientes é o Santo Graal da plataforma.

Nos próximos meses, a vertical ganhará novos serviços, como aluguel de carros, passeios e seguros de viagem. E, quanto mais parceiros, mais chances de ações cruzadas. “Podemos, por exemplo, juntar uma companhia aérea e uma rede de fast food para oferecer aos passageiros lanches a bordo. São muitas possibilidades e somos muito criativos”, brinca Bruna.

CASHBACK E FIDELIDADE

Outra vantagem de ter um ecossistema integrado é a possibilidade de promover iniciativas de cashback e programas de fidelidade. Até o final de dezembro, qualquer compra feita no app dá direito a um crédito de 20% do valor, que pode ser usado para novas compras. Assim, alguém que adquire uma passagem, por exemplo, pode usar esse crédito em restaurantes ou no supermercado. E vice-versa. O mesmo vale para os pontos acumulados no programa de fidelidade.

Os acordos com os parceiros estão sendo costurados tanto em nível global quanto local. Companhias aéreas e redes hoteleiras com presença em vários países já estão integradas à plataforma via negociações com provedores do setor. Estabelecimentos locais, como pousadas, estão sendo contatados por aqui e adicionados aos poucos. “Alguns parceiros terão lojas próprias dentro do aplicativo”, explica Luna.

Outra possibilidade em análise é incorporar, ao app, os serviços de reserva de acomodações. Bruna conta que, neste caso, como o contato é com o proprietário, o Rappi está estudando uma integração tecnológica capaz de automatizar essa interface, mas adianta que está conversando tanto com o Airbnb quanto com o Temporada Livre.

As executivas não arriscam perspectivas para o próximo ano, principalmente porque o setor de turismo está sendo um dos mais afetados pela pandemia, mas garantem que a vertical tem potencial para ser um dos principais negócios do Rappi. Na Colômbia, onde a empresa e o serviço existem há mais tempo, a comercialização dos produtos de viagens tem registrado crescimento de 40% ao mês. Os outros países da América Latina onde o Rappi está presente – Argentina, Chile e Equador – vão ganhar a novidade no começo do ano. “O nosso objetivo é ser o maior aplicativo da região”, finaliza Deborah.