invista em startups
Agro

Agro brasileiro exporta R$ 1 milhão por minuto em 2020

As exportações do agronegócio passaram de US$ 21 bilhões no ano 2000 para US$ 100 bilhões em 2020

08/02/2021 06h57
Por: Leonardo Brum
Fonte: Forbes
191
As exportações do agronegócio passaram de US$ 21 bilhões no ano 2000 para US$ 100 bilhões em 2020
As exportações do agronegócio passaram de US$ 21 bilhões no ano 2000 para US$ 100 bilhões em 2020

 

Alguns números entregues pelos produtores rurais brasileiros em 2020: as exportações do agro passaram de US$ 100 bilhões. O setor foi responsável por quase metade do total das exportações do país. O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) é o maior da história, somando mais de R$ 871 bilhões. A balança comercial do agronegócio teve saldo de US$ 87,76 bilhões, de acordo com dados do Ministério da Agricultura. O agro brasileiro exportou R$ 1 milhão por minuto no ano, segundo cálculos do professor Marcos Fava Neves, da Universidade de São Paulo (USP/Ribeirão Preto).

O crescimento foi de encher o brasileiro de orgulho! As exportações do agro passaram de US$ 21 bilhões no ano 2000 para US$ 100 bilhões em 2020.

O agronegócio brasileiro passou por uma intensa transformação nos últimos 40 anos, passamos de importadores de alimentos básicos, para um dos maiores exportadores mundiais de alimentos. Na década de 1970, iniciou-se o que chamamos de revolução agrícola tropical, capitaneada por Alysson Paolinelli, indicado neste ano ao Prêmio Nobel da Paz por seu legado em trazer segurança alimentar para o Brasil e para o mundo.

Mas então, surge uma pergunta: como tudo isto impacta a vida das pessoas?

Primeiramente, as exportações brasileiras do agronegócio foram o segundo maior valor da história, atrás de 2018 (US$ 101,17 bilhões). Houve um aumento de 4,1% quando comparado a 2019. A um câmbio de US$ 5,15 o professor Marcos Fava Neves concluiu que a agricultura brasileira trouxe do mundo, para dentro do Brasil, o recorde em reais de R$ 520 bilhões, espalhando desenvolvimento por onde o agro se estabelece.

Em segundo lugar, o maior VBP da história, mostra o desempenho da agropecuária durante o ano e reflete o faturamento dentro do estabelecimento; é calculado baseando-se na produção da safra agropecuária e nos preços recebidos pelos produtores nas principais localidades do Brasil e nos 26 maiores produtos agropecuários do Brasil.

Por fim, mas não menos importante, em 2020, a balança comercial do agronegócio brasileiro apresentou um superávit de US$ 87,76 bilhões. Quando comparado a 2019, (US$ 83,08 bilhões), houve um acréscimo de 5,6%, segundo dados da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (Secex).

De acordo com o jornal “O Estado de São Paulo”, “a venda de produtos agropecuários para o exterior evitou um tombo maior nas exportações brasileiras e fez com que o Brasil terminasse o ano de 2020 com um saldo comercial de US$ 51 bilhões. O valor representa uma alta de 6,2% em relação ao resultado de 2019.”

A balança comercial é a diferença entre as exportações e importações dos bens e serviços negociados com outros países, e quando as exportações são maiores que as importações, gera-se superávit. O superávit significa mais dólares entrando no país e aumento do PIB, que resulta em um ambiente de economia aquecida, gerando empregos, desenvolvimento e atraindo investimentos estrangeiros. Concluindo, quando um setor como o agro se destaca, há um reflexo positivo no país todo.

Respondendo, como tudo isto impacta a nossa vida?

Vivemos uma realidade onde campo e cidade estão interconectados, quando um vai bem, o outro se beneficia enormemente.

De acordo com o professor Xico Graziano, “todos os municípios líderes de polos agrícolas no Brasil têm Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) acima da média dos Estados onde se localizam”.

A renda que o agro traz para as regiões gera um efeito cascata, que beneficia toda a sociedade e cria vagas de emprego diretas e indiretas. Existe a demanda por implementos, escolas, restaurantes, tudo para atender um público com mais renda.

Quando o campo precisa de tratores, implementos, sementes, adubo, vacinas, insumos, a indústria emprega para suprir esta demanda; quando há produtividade no campo, uma indústria de processamento, laticínios, frigoríficos, usinas; o setor de transporte, caminhões, portos, navios, transportando tudo isto se mantém igualmente aquecido, é um círculo virtuoso de crescimento e bonança.

De acordo com o CEPEA/ESALQ/USP, a alta acumulada do PIB do agro chegou a 16,81%, mantendo desempenho anual recorde em 2020.

Os produtores rurais brasileiros conseguiram produzir com quantidade, qualidade e sanidade, num ano de pandemia, quando muitas cadeias de produção se quebraram no mundo e a segurança alimentar se tornou uma preocupação mundial. Os produtores rurais brasileiros e toda a cadeia do agro demonstraram resiliência, conseguindo produzir, processar e entregar uma safra recorde, mantendo o abastecimento interno e externo e a economia girando.

Fontes: Professor Marcos Fava Neves, Claudia Platzeck, Ministério da Agricultura, Jornal “O Estado de São Paulo”, Secretaria de Comércio e Relações Internacionais (Secex), CEPEA/ESALQ/USP, Professor Xico Graziano

Helen Jacintho é engenheira de alimentos por formação e trabalha há mais de 15 anos na Fazenda Continental, na Fazenda Regalito e no setor de seleção genética na Brahmânia Continental. Fez Business for Entrepreneurs na Universidade do Colorado e é juíza de morfologia pela ABCZ. Também estudou marketing e carreira no agronegócio. E-mail: [email protected]