invista em startups
BNDES

BNDES reorganiza diretoria do banco

“Como uma empresa sadia e adaptável ao tempo, o BNDES está sempre se reciclando e readaptando para atender às necessidades da população brasileira, como o banco de desenvolvimento do país", disse o presidente Gustavo Montezano.

07/06/2021 06h26
Por: Leonardo Brum
Fonte: Agência Brasil
62

 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou para os próximos dias a efetivação da reorganização de sua diretoria, com o objetivo de “evoluir para atender às novas demandas de desestatizações e infraestrutura, bem como oferecer mais apoio a modelos inovadores de financiamento e ações socioambientais”. Nos dois anos da administração de Gustavo Montezano, foi criado um banco de serviços “robusto, o desinvestimento foi acelerado e o foco na sustentabilidade reforçado”, informou a instituição, por meio de sua assessoria de imprensa.

Desde julho de 2019, quando ocorreu a posse de Montezano na presidência do BNDES, foram registrados avanços nas cinco metas que o então presidente propôs: a consolidação da transparência perante a sociedade; aceleração da venda de participações acionárias especulativas do banco; devolução de aportes extraordinários do Tesouro Nacional; Plano Trienal com metas claras e de impacto para sociedade e transformação do BNDES em uma Fábrica de Projetos para governos. 

O BNDES tem hoje em curso 120 projetos, que resultarão em mais de R$ 240 bilhões em recursos para o país. O BNDES salientou a realização de leilões significativos, entre os quais o da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (CEDAE), que permitirá que o saneamento básico beneficie grande parte do estado.

Visando a retomada econômica sustentável pós-pandemia, o BNDES promoveu a integração da gestão da Fábrica de Projetos, reunindo as diretorias de Privatizações e de Infraestrutura, PPPs e Concessões, na nova diretoria de Concessões e Privatizações, sob o comando de Fabio Abrahão. A reorganização ocorreu simultaneamente ao pedido de saída do então diretor de Privatizações, Leonardo Cabral, que decidiu se afastar do serviço público, no qual havia ingressado em 2016.

Crédito e garantias

Se por um lado, o avanço das concessões e privatizações no Brasil leva a gestão da Fábrica de Projetos a um formato integrado, a necessidade de financiamento para esses projetos fez o BNDES redimensionar sua atuação com créditos e garantias. Desse modo, a atual diretoria de Crédito e Garantias será substituída por duas novas, cada uma com atuações específicas.

A Diretoria de Crédito a Infraestrutura, sob gestão de Petrônio Cançado, terá como missão atender à demanda crescente por financiamentos de longo prazo dos projetos de infraestrutura, em decorrência do avanço das concessões federais e estaduais nos últimos meses. Caberá a Cançado e sua equipe estruturar esse mercado de crédito de forma mais inovadora, com sindicalização e títulos negociáveis, por exemplo. Também será necessário ampliar as garantias com maior assunção de risco tanto do setor público quanto do privado, visando incentivar grandes projetos nas áreas de energia, saneamento, transporte e mobilidade urbana.

A Diretoria de Crédito Produtivo e Socioambiental será chefiada por Bruno Aranha, funcionário de carreira do banco que ocupava o cargo de chefe de gabinete da presidência desde o início da gestão de Montezano. Ele será responsável pelos financiamentos a indústrias, comércio e serviços, bem como o apoio ao comércio exterior, além de liderar a área de gestão pública e socioambiental.

Em seu lugar, na chefia de gabinete, assume Alice Lopes, funcionária de carreira do banco há mais de 15 anos, que já atuava como assessora no gabinete da presidência. “Como uma empresa sadia e adaptável ao tempo, o BNDES está sempre se reciclando e readaptando para atender às necessidades da população brasileira, como o banco de desenvolvimento do país", disse o presidente Gustavo Montezano.