invista em startups
América Latina

Em batalha por US$1 bi em ouro, Reino Unido apoia Guaidó como presidente da Venezuela

A intervenção de última hora do gabinete de Relações Exteriores acompanhou um documento legal de 30 páginas.

20/07/2021 06h43
Por: Leonardo Brum
Fonte: Reuters
64
Juan Guaidó
Juan Guaidó

 

O governo britânico tentou frustrar uma iniciativa do Banco Central venezuelano nesta segunda-feira de repatriar cerca de 1 bilhão de dólares em outro armazenado em Londres, com uma declaração inequívoca de que apoia o opositor Juan Guaidó como legítimo líder do país sul-americano. 

As equipes que representam os interesses do líder Nicolás Maduro e de Guaidó estiveram na Suprema Corte do Reino Unido na última rodada de uma longa disputa sobre quem deveria controlar a quantia que representa aproximadamente 15% das reservas venezuelanas de moeda estrangeira. 

Advogados que representam o banco central venezuelano dizem que a venda do ouro financiaria a resposta à pandemia de coronavírus no país e fortaleceria um sistema de saúde afetado por mais de seis anos de crise econômica. 

O Banco da Inglaterra, cujos cofres guardam o ouro, se recusou a liberar a quantia, no entanto, após o governo britânico se juntar, em 2019, a dezenas de outros países que manifestaram apoio a Guaidó, fundamentados na tese de que a vitória de Maduro nas eleições presidenciais do ano anterior teria sido fraudada. 

"O governo do Reino Unido é claro sobre o reconhecimento de Juan Guaidó pelo governo de Sua Majestade desde fevereiro de 2019 como o único presidente legítimo da Venezuela", disse o gabinete de Relações Exteriores britânico em nota, após solicitação da Suprema Corte para esclarecer seu posicionamento no caso. 

A intervenção de última hora do gabinete de Relações Exteriores acompanhou um documento legal de 30 páginas. 

"O escopo da disputa parece ter se estreitado", disse o presidente da Suprema Corte, Lorde Reed, em referência ao caso que havia sido aberto para decidir se o Reino Unido reconhecia Guaidó como o líder da Venezuela apesar de Maduro ainda comandar a nação sul-americana em seu cotidiano.