invista em startups
Tecnologia

EUA pede ao Google os dados de possíveis criminosos

Embora o Google lide com milhares de pedidos desse tipo todos os anos, o mandado por palavras-chave é um dos mais controversos

06/10/2021 06h50
Por: Leonardo Brum
Fonte: Forbes
134
Embora o Google lide com milhares de pedidos desse tipo todos os anos, o mandado por palavras-chave é um dos mais controversos
Embora o Google lide com milhares de pedidos desse tipo todos os anos, o mandado por palavras-chave é um dos mais controversos

 

Em 2019, investigadores federais em Wisconsin estavam em busca de homens que acreditavam terem participado de tráfico e abuso sexual de um menor de idade. Na tentativa de perseguir os criminosos, os investigadores recorreram ao Google, pedindo à gigante de tecnologia que fornecesse informações sobre qualquer pessoa que tivesse pesquisado o nome e endereço da vítima e de sua mãe durante 16 dias. Depois de fornecer todas as contas relevantes e endereços IP, a companhia apresentou os resultados em meados de 2020, embora os documentos judiciais não revelem quantos usuários tiveram seus dados enviados ao governo.

Esse é um raro exemplo de mandado de palavras-chave, e o maior já registrado. Antes dele, apenas dois mandados da categoria haviam se tornado públicos. Em 2020, uma autorização buscou por qualquer pessoa que tivesse procurado o endereço de uma vítima de incêndio criminoso que foi testemunha no caso de extorsão do governo contra o cantor R Kelly. Em 2017, um juiz de Minnesota assinou um mandado pedindo ao Google que fornecesse informações sobre quem procurou o nome de uma vítima de fraude na cidade de Edina.

Embora o Google lide com milhares de pedidos desse tipo todos os anos, o mandado por palavras-chave é um dos mais controversos. Em muitos casos, o governo já terá uma conta específica do Google sobre a qual deseja obter informações e terá provas de que ela está vinculada ao crime. Mesmo assim, as solicitações são feitas na esperança de capturar suspeitos cujas identidades o governo desconhece. Não é diferente dos chamados mandados de geocerca, quando os investigadores pedem ao Google que forneça informações sobre qualquer pessoa próxima à cena do crime. “Temos um processo rigoroso para proteger a privacidade dos usuários ao mesmo tempo em que apoiamos o importante trabalho de aplicação da lei”, diz um porta-voz do Google.

O caso mais recente mostra que o Google continua atendendo às solicitações, apesar das preocupações sobre sua legalidade e o potencial de envolver pessoas inocentes que, por acaso, possam ter pesquisado os termos-chave. Do ponto de vista do governo em Wisconsin, o escopo do mandado deveria ter sido limitado o suficiente para evitar que o número de pessoas procurando por nomes, endereços e números de telefone específicos fosse baixo. Existem preocupações sobre as questões de liberdade de expressão garantida pela Primeira Emenda dos Estados Unidos.

“Vasculhar o histórico de pesquisa do Google permite que a polícia identifique pessoas apenas com base no que elas podem estar pensando, por qualquer motivo, em algum momento no passado”, disse Jennifer Granick, consultora de vigilância e segurança cibernética da ACLU (União Norte-Americana pelas Liberdades Civis). “Essa técnica ameaça os interesses da Primeira Emenda e prejudicará pessoas inocentes, principalmente se as palavras-chave e o prazo não forem específicos. Para piorar as coisas, a polícia está fazendo isso em segredo, sem debate público e regulamentação.”

O caso de Wisconsin seria mantido em segredo. O mandado só veio à luz porque foi acidentalmente aberto pelo Departamento de Justiça. A Forbes revisou o documento antes de ser lacrado novamente e não o está publicando nem fornecendo detalhes completos do caso para proteger as identidades da vítima e sua família. A investigação está em andamento, dois anos após a ocorrência dos crimes, e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos não comentou se houve ou não denúncias.

O governo pode obter mais do que as identidades e endereços IP. Em Wisconsin, o governo esperava que o Google também pudesse fornecer “CookieIDs” pertencentes a qualquer usuário que fizesse as pesquisas. Esses CookieIDs “são identificadores que servem para agrupar todas as pesquisas realizadas a partir de uma determinada máquina, por um determinado período de tempo. Essas informações permitem aos investigadores verificar, mesmo quando o usuário não está conectado a uma conta do Google, se o mesmo indivíduo pode ter conduzido várias pesquisas pertinentes ”, escreveu o governo.

Havia outro elemento perturbador no mandado de busca: o governo havia publicado o nome da vítima de sequestro, seu perfil no Facebook, seu número de telefone e endereço, uma violação potencial da privacidade de um menor. Os documentos já foram selados, mas esse ato se tornou comum nos últimos anos.

Após a publicação, Jennifer Lynch, diretora de litígios de vigilância da Electronic Frontier Foundation, destacou três outros mandados de palavras-chave do Google que foram usados ​​na investigação de bombardeios em série em Austin em 2018, que resultaram na morte de duas pessoas.