invista em startups
Commodities

Café arábica atinge pico de diversos anos na ICE e depois cai; açúcar recua

Operadores disseram que o mercado continuou a obter suporte de atrasos nos embarques da América do Sul e altos custos de frete, o que ajudou a aumentar a demanda por estoques da bolsa.

19/11/2021 06h40
Por: Leonardo Brum
Fonte: Reuters
84

 

Os contratos futuros do café arábica na ICE atingiram o maior patamar em quase uma década nesta quinta-feira devido aos fundamentos sólidos, antes que uma onda de realização de lucros levasse a um fechamento negativo.

O açucar também fechou em baixa.

CAFÉ

* O café arábica para março fechou em queda de 5,6 centavos de dólar para 2,2915 dólares por libra-peso após atingir 2,3835 dólares durante a sessão, a máxima desde janeiro de 2012.

* Operadores disseram que o mercado continuou a obter suporte de atrasos nos embarques da América do Sul e altos custos de frete, o que ajudou a aumentar a demanda por estoques da bolsa.

* O forte desempenho recente do mercado também ajudou a impulsionar as compras com base técnica.

* O café robusta para janeiro caiu 44 dólares para 2.212 dólares a tonelada.

AÇÚCAR

* O açúcar bruto para março fechou em queda de 1,1% a 20,18 centavos de dólar por libra-peso, após tocar pico de 20,69 centavos de dólar, a máxima para o primeiro contrato desde fevereiro de 2017.

* Operadores observaram que a oferta restrita, com um segundo déficit global sucessivo amplamente previsto para a atual temporada de 2021/22, continuou a apoiar os preços, enquanto os problemas da cadeia de oferta ligados em parte à pandemia de Covid-19 aumentaram o apetite por estoques.

* A Organização Internacional do Açúcar, em uma atualização trimestral, disse que a pandemia mudou a percepção sobre a manutenção de estoques da commodity.

* As chuvas devem retornar ao cinturão de açúcar do Brasil nos próximos dias. O provedor de informações da cadeia de oferta Czarnikow estima uma paralisação de quatro dias na moagem devido à precipitação.

* O açúcar branco para março caiu 1,5% para 516,60 dólares a tonelada.

(Reportagem de Marcelo Teixeira e Nigel Hunt)